Educação sexual nas escolas? Saiba mais:

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Pesquisa divulgada ontem (07) pelo Instituto Datafolha mostra que 54% da população é a favor da educação sexual nas escolas. Outros 44% dos brasileiros são contra.

Segundo a pesquisa, os índices de aprovação à educação sexual nas escolas sobe conforme sobe o nível de escolaridade do brasileiro. A oposição à educação sexual é maior do que a aprovação em apenas dois grupos de pessoas: o grupo formado por eleitores de Jair Bolsonaro e o grupo formado por membros da igreja evangélica.

Educação sexual é um processo, que visa educar e esclarecer jovens e adolescentes a respeito de tudo o que envolve o próprio corpo e o relacionamento com outras pessoas. A falta da educação sexual está relacionada ao aumento ou à permanência da existência de comportamentos de risco, como o “não uso” do preservativo em relações sexuais. Também está relacionada à persistência da intolerância e da violência de gênero e aos muitos casos de abusos sexuais, por exemplo.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o objetivo da educação sexual é instruir jovens para que eles possam fazer escolhas saudáveisseguras sobre relacionamentos e sexualidade. O ensino desta disciplina por professores e por profissionais treinados não pode ser substituído pelo que é visto na televisão ou encontrado na internet.

A professora Tina Xavier, que, com as crianças e os jovens para os quais leciona, idealiza projetos com temas relacionados, inclusive, aos direitos humanos e educação sexual, explicou um pouco mais sobre o que é a educação sexual e sua importância:

É possível destacar exemplos de outros países que incluíram no currículo dos alunos a disciplina educação sexual. Na Grã Bretanha, por exemplo, no ano passado, o governo anunciou um novo projeto de lei que determinou que crianças a partir dos 11 anos já poderiam começar a ter aulas de educação sexual e, mais especificamente, aulas sobre consentimento em relações sexuais.

O sistema de ensino brasileiro é criticado por especialistas britânicos por não incluir, como obrigatoriedade, a educação sexual nas escolas. Para muitos especialistas, é um problema não haver projetos sistemáticos no currículo dos alunos de escolas públicas e particulares.

Nas escolas da Alemanha, a educação sexual nas escolas é imposta por lei. Os alunos começam a ter as aulas a partir do ensino primário e a responsabilidade de ensinar as crianças sobre a vida sexual é, portanto, um dever do estado. Os pais são informados antes das aulas começarem, mas não têm direito de decidir se filhos podem ou não comparecer. Lá existe, inclusive, uma outra legislação, que pune os pais e responsáveis que deixam os filhos faltarem à escola, independente da aula/matéria.

Compartilhar.

Deixe uma resposta